Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Qui | 20.09.18

Tanto mar entre nós... | Doabre

 

Baltazar imagem nova.jpg

 

 

DOABRE (*)

 

 

O rio de João Cabral é um corpo mutilado,

discurso de canal engordado sob gondola;

cabeça-nascentes do pensamento truncado,

é mão amputada dos dedos longos distante.

 

Salta em caldo engorda corpo represado.

Ou emagrece, se afina no curso seu tom;

uma silhueta na passarela disforme torta

consumida na pena serelepe dos homens.

 

Mas o mesmo rio grita sua fome de mello

de anas, de roseanas, de helenas e barones

de tantos outros que se encontram no rio

em meio curso do fio discurso e potável.

 

Na corredeira alarga as margens verdes

poesia ripária ou ripícola de mata ciliar

quando rompe os diques da leitura fácil

se abre caminho fluência do estagnado.

 

Oxumaré desfaz-se arco-íris na chuva

pra Logunedé pescar palavra e homens.

João Cabral, Exu de faca e pedra lâmina

de canavial, no estio abriu o rio pro mar.

 

Ora vejam no desenho da arquitetura,

ouçam no batuque dessa franca língua

árida: Oxum se ri de ser musa do amor

doura ser da riqueza prima meia-irmã.

 

Volta o rio à nascente auto falante,

Iemanjá limpa o mar, a foz fertiliza.

A mãe de muitos orixás é lugar de fala,

e dona da fertilidade 'doabre' caminhos.

 

 

 

(*) ou batuque inominável de franca língua árida

um diálogo com o poema " Rios sem discurso " do poeta João Cabral de Melo Neto

e uma homenagens aos orixás da mitologia iorubá.

 

 _________________________________________________________________

Publicado em Inominável nº 15

 por Baltazar autor do blog Depois eu conta | BRASIL

 

Siga-nos no Bloglovin
 

3 comentários

Comentar post