Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Qui | 21.06.18

Viagens | No Comboio Histórico do Douro #4

Inominável
(parte #3)Enquanto a locomotiva é separada das carruagens e decorrem as manobras para a colocar na outra extremidade do comboio, temos tempo de sobra para ir comer qualquer coisa no café junto à estação ou visitar a mostra de produtos regionais especialmente preparada para quem faz esta viagem, numa sala onde estão também expostos (...)
Qua | 20.06.18

Viagens | No Comboio Histórico do Douro #3

Inominável
(parte #2)Na paragem de 10 minutos no Pinhão a carruagem é invadida por um volumoso grupo de excursionistas seniores – percebemos agora porque é que estava tão vazia, e percebemos também que se acabou a tranquilidade, mais ainda quando os cantantes de serviço decidem durante prolongados minutos assentar arraiais no (já de si exíguo) espaço entre os bancos. (...)
Ter | 19.06.18

Viagens | No Comboio Histórico do Douro #2

Inominável
(parte #1)Bastante antes da hora marcada para a partida, a 0186 já atrai as atenções de quem passa ao pé da estação da Régua: a locomotiva requer algumas horas de cuidados intensivos antes de começar a sua viagem, e o fumo que produz eleva-se no ar de forma bem visível, por detrás dos edifícios da estação. Isso e o barulho, claro, que o som do vapor (...)
Seg | 18.06.18

Viagens | No Comboio Histórico do Douro #1

Inominável
Viajar de comboio faz parte do imaginário de todos os viajantes, mesmo daqueles para quem entrar num comboio pertence à rotina das deslocações diárias casa-trabalho. Há qualquer coisa de relaxante nesta forma de deslocação. Talvez seja o som ritmado e peculiar das rodas a deslizarem sobre os carris, ou aquela oscilação típica que nos embala, ou ainda o efeito hipnótico da paisagem que desfila a alta velocidade perante os nossos olhos. O fascínio das viagens de comboio perdura (...)
Seg | 07.05.18

Viagens | Os Kew Gardens #7

Inominável
(parte #6) O Lago O grande lago dos jardins de Kew foi criado em 1856 numa área que estava a ser escavada para se obter cascalho para aplicar no solo da Estufa Temperada. Foram depois abertos túneis subterrâneos para ligar o lago ao rio Tamisa, que passa ali ao lado, e em 1861 ficou finalmente cheio. Com o cascalho que sobrou foram construídas quatro ilhas dentro do lago, agora (...)