Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Qua | 18.04.18

Natureza | Valorização de Detritos - parte 2

(continuação)

 

Procedimento para realizar a compostagem

  • Os resíduos de cozinha e resíduos de jardim devem ser adicionados em idênticas proporções. No entanto, no Verão a quantidade de resíduos de jardim deverá ser maior do que a dos resíduos de cozinha, e no Inverno deverá ser o oposto. Os resíduos devem ser bem misturados.
 
  • De vez em quando poder-se-á espalhar no composto ossos triturados ou cal em pó. Uma colher cheia de cada, uma vez por mês, é suficiente.
 
  • Regue cada camada de forma a manter um teor de humidade adequado.
 
  • Repita este processo até obter cerca de 1 m de altura ou encher o contentor. As camadas podem ser adicionadas todas de uma vez ou à medida que os materiais vão ficando disponíveis.
 
  • A última camada a adicionar deve ser sempre rica em feno, palha, aparas, folhas ou erva seca, para diminuir os problemas de odores e a proliferação de insectos e outros animais indesejáveis.
 

 


Factores que afectam a compostagem

ancinho-p-conchas-seanox-7-dentes-f-875-87514.jpg

Ar - O revolvimento da pilha de compostagem é imprescindível, para que a matéria orgânica seja decomposta. Uma das formas de arejar é remexer os materiais com uma forqueta de arejamento ou com um ancinho; remexer a pilha é também importante para a compostagem, uma vez que promove a mistura dos diferentes materiais.

É difícil definir com exactidão a calendarização da periodicidade com que a matéria orgânica deve ser remexida, na medida em que depende de inúmeros factores, como sejam a dimensão do conjunto e tipo e quantidade de materiais adicionados; no entanto, aconselha-se o revolvimento 2 a 3 vezes por semana em dias alternados. Ao arejar, os cheiros serão eliminados e o processo de decomposição será acelerado.

 

regador.jpg

 

Humidade - Os microrganismos que decompõem a matéria orgânica necessitam de humidade (nem em falta, nem em excesso) para se movimentarem e decompor os materiais. Uma forma simples de a testar é retirar um pouco dos materiais presentes e apertá-los na mão; se a humidade for a ideal devem escorrer por entre os dedos algumas partículas de água.

Se o conjunto a decompor se tornar muito seco, a actividade será reduzida e poderá até parar. Neste caso dever-se-á adicionar água, com o auxílio de um regador, à medida que se vai revolvendo os materiais de modo a assegurar a distribuição homogénea da água. Se, pelo contrário, se tornar demasiado húmida, poderá desenvolver mau cheiro (ovos podres), sendo necessário arejar regularmente para que se verifique evaporação ou juntar mais resíduos secos, que irão absorver a água em excesso.

 

barbecook-termometro-digital-barbecook_39574759.jp

Temperatura - A temperatura existente na compostagem é o resultado do trabalho dos micro-organismos. São desejáveis temperaturas de 55 ºC. Com valores muito elevados a temperatura passa a ter um efeito inverso sobre os micro-organismos, retardando ou até mesmo eliminando a actividade microbiana. No entanto, se não se atingirem valores próximos do referenciado não haverá problema, pois o trabalho dos micro-organismos também se processa em ambiente mais fresco.

Em termos de localização tudo depende, como referido inicialmente, de existir ou não muito espaço disponível. O ideal será colocar esta “estrutura produtiva” num local de fácil acesso, mas simultaneamente devidamente resguardada (nem muito sol nem muita chuva, nem muito frio nem muito calor, o que pode indicar ou sugerir debaixo de uma árvore) e assente directamente no solo, para facilitar a drenagem e possibilitar a passagem de microorganismos para a compostagem.

compostagem-01-660x330.jpg

Com mais ou menos atenção, que muitas vezes varia em função das nossas disponibilidades, no máximo 6 meses depois podemos obter o primeiro composto. Depois de o separar do resto do material que ainda não atingiu a compostagem perfeita inicia-se a fase seguinte, designada de maturação ou repouso. Finalmente, estará pronto para ser utilizado na horta, no jardim, em vasos ou simplesmente à volta de árvores.

Afinal não é assim nada tão complicado como pensava, pois não?!  

 __________________________________________________________________

Publicado em Inominável nº 13

por Eliseu Pimenta

Siga-nos no Bloglovin