Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Qua | 04.04.18

Ler o Mundo | Marlene Ferraz - uma entrevista

 

e0b42cc7d03be264e97c4d82c9107396.jpg

 

Após a morte de um grande editor, Manoel Luz, também ele um homem dos livros, é confrontado com inesperados segredos que o obrigam a suspeitar da verdade e a recompor a sua narrativa de vida com tantos desacertos e acasos. Depois da revolução de Abril, também o livreiro começa uma inevitável renovação na matéria mais íntima. O encontro inexplicável com a rapariga estrangeira, a filha imprevista com nome de flor bravia e o rapaz louco acompanham Manoel Luz nesta revelação de uma realidade improvável, mais deformada e duvidosa mas compensada pela amplitude da afeição.

As Falsas Memórias de Manoel Luz, de Marlene Ferraz (sinopse)

 

marlene_parederuinas[1965].jpg

 

Marlene Ferraz tem vários livros e contos publicados e prémios ganhos. Nomeadamente, o conto Na Terra dos Homens (prémio Miguel Torga 2008), O Amargo das Laranjas (prémio Florêncio Terra 2008) e O Tempo do Senhor Blum e outros contos (prémio Afonso Duarte 2012). Com o romance A Vida Inútil de José Homem ganhou o prémio Agustina Bessa-Luís 2012. O romance As Falsas Memórias de Manoel Luz é o sue mais recente romance.

 

Curiosos para conhecer um pouco mais desta autora? Então espreitem esta entrevista.

 

Jardim de Mil Histórias: Como surgiu o seu gosto pela escrita?

Marlene Ferraz: Depois do espanto pela leitura. Seria uma criança muito metida em contemplações, incomodada com o sofrimento evitável nos homens e nos bichos: ficava exageradamente comovida quando me confrontava com um pássaro ferido por um chumbo, uma borboleta com as asas gastas pela curiosidade das crianças ou um cão tão magro que poderia contar-se os ossos. E toda a violência entre homens e homens. Os livros, companheiros de horas intermináveis, resgatavam-me para outras realidades, também duras, improváveis, mas carregadas de ilusão e esperança. Como um escafandro. Ou um outro compartimento de oxigénio. Conviver com o sofrimento pede uma carga suficiente de ilusão.

 

M. H.: A Marlene é formada em Psicologia. Como é que isso influencia a sua escrita?

F.: O ofício da Psicologia obriga ao exercício de nos descentrarmos o mais possível da criatura que somos para nos focarmos no outro: há um desprendimento dos nossos posicionamentos (leia-se enviesamento) e uma aceitação incondicional da pessoa que temos diante. A vulnerabilidade acaba por ser a matéria de apreciação e produção: receber, com a maior transparência, as fragilidades do outro e ensaiar novas formas de ver a realidade que incomoda, como se tivéssemos em mãos um caleidoscópio. É provável que esta proximidade com o sofrimento e a renovação, neste processo infinito de redenção, esteja nas entrelinhas das (minhas) narrativas.

 

M. H.: Já recebeu diversos prémios literários. Como reagiu a este reconhecimento?

F.: Os prémios literários acabam por ampliar a coragem que precisamos para publicar: num mercado livreiro tão intimidante, em que um número infinito de livros chegam continuamente às livrarias, com listas dos mais vendidos e etiquetas de prémios internacionais, mais todos os livros espantosos doutros tempos, só com uma dose mínima de loucura (e coragem) para nos entregarmos a um desafio tão privado mas também comercial. É uma realidade paradoxal. Lembro-me de ser mais menina e ouvir um editor de maior grandeza dizer, numa conversa paralela, na espantosa livraria Centésima Página: neste momento, só publicamos de Mia Couto para cima. E eu, de coração (ou ingenuidade) esmagado, comecei a medir-me aos palmos. Nunca poderia chegar ao tamanho do (meu) encantador Mia Couto.

 

M. H.: O seu mais recente livro, As Falsas Memórias de Manoel Luz, é uma biografia que nos fala de flores e livros. Em que se inspirou para escrever esta história?

F.: No primeiro, A Vida Inútil de José Homem, andei pelas memórias da guerra colonial, como se precisasse de recriar o cenário do Estado Novo na minha cabeça: para quem veio ao mundo dos vivos já em tempos (aparentemente) democráticos, uma guerra em território ultramar parece apenas matéria cinematográfica. Neste segundo, As Falsas Memórias de Manoel Luz, acabei por alinhavar uma narrativa no seguimento temporal: atravessamos a Revolução de Abril, entre as metáforas dos livros e das flores, já que o livreiro se levanta entre dois homens de inspirações muito opostas, o senhor Prudente, de grandezas e luxos, muito interessado no lucro e no poder, e o senhor Luz, de simplezas e afectos, dedicado ao ofício de floreiro e cuidador das flores e dos outros, a simbolizar esta bipolaridade que vivemos dentro e fora do corpo, o bem e o mal, o capitalismo e a sustentabilidade social, o amor e o medo (e continuaríamos por linhas completas).

 

M. H.: De que mais gosta neste processo de escrita?

F.: O exercício de compor as palavras, numa ordem particular, com musicalidade e simbolismo. E a criação de homens, mulheres e bichos, com as suas estranhezas e imperfeições, num grito de liberdade pela transparência, sem a intenção (artificial) de parecermos perfeitos por fora apesar dos buracos de vulnerabilidade por dentro.

 

M. H.: Quais as suas grandes referências enquanto escritora?

F.: Agrada-me mais a palavra encontro: e tenho tido encontros tão espantosos (e os que virão, ainda). José Saramago. Herberto Helder. Gabriel García Márquez. Jorge Luís Borges. Julio Cortázar. Truman Capote. Iréne Némirovsky. Franz Kafka. Tchékhov. Dostoiévski. E uma mão de nomes mais recentes. Mia Couto. Gonçalo M. Tavares. Herta Muller. Han Kang (nos meus braços, agora). Teria de espreitar a minha estante para continuar esta biografia de encontros.

 

M. H.: Ouvimos muitas vezes os autores afirmarem que o processo de escrita concentra-se em 90% de trabalho e 10% de talento. Concorda?

F.: Tempo é a palavra principal (para mim). Tempo para contemplar, para dialogar, para sentir, para perguntar, para viajar (por dentro). E para escrever, depois. Nunca penso em esforço ou talento mas na entrega temporal a um exercício que nos obriga a entrar numa cápsula depois dum intervalo de contemplações.

 

M. H.: De todos os livros que já escreveu, qual deles melhor define a sua escrita?

F.: Mesmo o verbo escrever é dinâmico e, aparentemente, a minha escrita tem vindo a transformar-se sem que a minha cabeça (ou mãos) tenha consciência deste processo de mudança. Provavelmente, com o tempo (e todos os instantes de dúvida e experimentação e leitura), é a minha pessoa que tem vindo a metamorfosear-se, assim as borboletas, e essa renovação na forma de dentro acaba, inevitavelmente, por se diluir na forma da escrita.

 

M. H.: Enquanto leitora o que gosta mais de ler? E o que não gosta de ler?

F.: Leio tudo. Se estiver numa fila de espera, posso até ler a tabela nutricional do produto que tenho em mãos ou a receita de uma salada improvável na revista emprestada. Ler é entrar num mundo novo, é despertar ideias, levantar os pés do chão... é escapar ao tédio. Há tantos lugares inóspitos no dia a dia. A espera num consultório. A espera numa repartição de finanças. A espera para renovar o cartão de cidadão. Os livros são territórios incríveis à nossa espera. Basta abrir uma página, pode ser ao acaso, e o milagre acontece.

 

M. H.: Qual o livro da sua vida?

F.: A lista poderia ser comprida, conforme o tempo e o lugar. Tantos os livros que me têm espantado, confortado, desafiado, até incomodado. Mas, a revisar a minha narrativa de vida, diria que o primeiro (grande) livro a criar em mim esse espanto pelo poder da escrita terá sido O Memorial do Convento, de José Saramago, leitura obrigatória (e como agradeço) no ensino secundário e ainda hoje invento na cabeça a passarola do padre Bartolomeu e o poder da Blimunda que pode ver por dentro.

 

M. H.: Que projectos literários tem para o futuro?

F.: Quando acabo um livro, a sentir-me desocupada de matéria, aviso sempre que pode ter sido o último. Analiso o meu tempo futuro e planeio usar mais horas noutros projectos, como o voluntariado e a protecção animal. Mas depois começam os primeiros cenários a virem à cabeça. Tento abafar as ideias que despontam mas o processo de instalação das novas companhias (leia-se personagens) está já num estado irreversível. Tenho uma história a fazer-se dentro de mim. Veremos o que o tempo traz.

 

 

Marlene, muito obrigada por esta entrevista.

 

__________________________________________________________________

Publicado em Inominável nº 12

por Isaura Pereira autora do blog Jardim de Mil Histórias 

Siga-nos no Bloglovin