Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Qua | 13.06.18

Diversidades | Faróis ConVida #1

 “… soy en la noche un diamante que gira advirtiendo a los hombres.

Por quienes vivo, aun cuando no los vea …;”

“Soliloquio del farero”, Luis Cernuda (1902-1963)

 

É difícil descobrir melhor ideia para definir a função de um farol que a de iluminar a orla marítima ou, como se expressam os faroleiros, fazer o alumiamento do mar.

"Farol" deriva da palavra grega Faros, nome da ilha próxima da antiga capital do Egipto onde, no ano 280 a.C., foi erigido o farol de Alexandria — uma das sete maravilhas do mundo antigo. Considerado uma das maiores produções da técnica da Antiguidade, foi construído pelo arquitecto e engenheiro grego Sóstrato de Cnido, por ordem de Ptolomeu.

pharos_alexandria_fischer_von_erlach.jpg

Os faróis têm, pois, a finalidade de guiar os navegantes, garantindo um caminho orientado e seguro, sendo norteadores da aproximação a terra firme. Um farol nunca se apaga mesmo que tudo o resto seja breu: é essa a sua missão, é esse o seu valor, é e deve ser sempre essa a sua sina.

No mundo há muitos padrões de faróis, embora todos partilhem alguns atributos: em terra ou em penhascos na água, construção elevada (normalmente uma torre) que emite luz, sinaliza e orienta, equiparando-se a uma estrela “terrestre”.

001.png

002.png

 

 

 

Portugal, país de mar e marinheiros, possui 53 faróis: 30 faróis em Portugal continental, 16 faróis no arquipélago dos Açores e 7 faróis no arquipélago da Madeira, que constituem um património iniciado por volta do século XVI (segundo a Autoridade Marítima Nacional).

Cada farol é único e inigualável pois a arquitectura que possuem, a paisagem que proporcionam, o código de luz próprio, a segurança que transmitem, as histórias que guardam e a poesia que irradiam, conduzem-nos a encantos indescritíveis.

Falar de faróis é também referir os que são considerados mais emblemáticos do nosso país, nomeadamente os faróis de Leça da Palmeira, de Aveiro, do Cabo da Roca, de Santa Marta, do Cabo Espichel e do Cabo de São Vicente.

 

(continua)

__________________________________________________________________

Publicado em Inominável nº 14

por Eliseu Pimenta

Siga-nos no Bloglovin