Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Qui | 21.12.17

Anexo | O Natal e os Livros

O Natal tornou-se um fenómeno que começa cada vez mais cedo. Se quando eu era criança os preparativos começavam na semana anterior, mais coisa menos coisa, hoje em dia o evento é planeado com meses de antecedência. Esta situação tem um efeito diabólico nas crianças, que começam logo a chatear o Pai Natal e a sua mulher Popota com pedidos de tudo o que a publicidade (essa malvada) lhes enfia pelos olhos dentro. O efeito não é menos aterrador nos viciados em livros que, agora que penso nisso, por vezes mais parecem crianças.

Não vale a pena esconder, eu não gosto do Natal. Pronto, já disse.

Quero dizer, gosto de algumas coisas, como da comida e dos presentes. Vendo bem, é disso que toda a gente gosta, pois já ninguém se lembra de que o Natal em tempos foi a festa da amizade e da família, da partilha e dos encontros. Bom, como a comida é a área da Dona Pavlova eu vou falar dos presentes. Sendo que para mim só há um tipo de presentes: livros.

Eu não percebo porquê, mas as pessoas costumam dizer que é muito difícil comprar-me livros. Porque eu tenho muitos e têm medo de oferecer livros repetidos, ou porque não conseguem acompanhar as minhas leituras e não sabem o que mais me interessa no momento, e ainda porque (a minha favorita) já me deram livros e agora querem oferecer-me outras coisas.

Bom, gente, tenho a dizer-vos o seguinte: os livros repetidos podem trocar-se, desde que guardem a factura da compra, se não sabem as minhas preferências informem-se sondando-me de forma subtil ou perguntem directamente aos meus amigos. Ou arrisquem. Por uma vez entrem na livraria e escolham-me um livro. Leiam as sinopses apreciem as capas, descubram um trecho à sorte, cheirem os livros. Quem sabe não saem da loja com um livro para mim e outro para a vossa mesinha de cabeceira (de preferência diferentes para podermos trocar).

Se nenhuma destas sugestões vos convencer ofereçam-me um clássico da literatura, são normalmente apostas vencedoras. Por último, mas muito importante, quando vos apetecer comprar-me outras coisas esperem que essa vontade passe e vão a uma livraria (de carteira recheada, de preferência).

Sim, o (meu) mundo seria um lugar melhor se o meu Pai Natal seguisse estes conselhos. Acontece que não há mundos nem vidas perfeitas e todos os anos tenho de ser uma espécie de duende da oficina do Pai Natal para mim mesma. Se eu gosto disso? Não muito. Mas é melhor receber os livros da minha lista do que cuecas, meias, cachecóis, sabonetes, cremes e demais lembranças natalícias.

Todos os anos selecciono um conjunto simpático de títulos que faço chegar aos interessados, normalmente por mensagem escrita ou por e-mail. É fácil, fica registado, e evita possíveis perdas de memória. Por vezes junto fotografias das capas para que não surjam dúvidas de última hora na livraria, sabe-se lá o que comprariam como presente de substituição.

Na véspera de Natal os meus presentes vão surgindo na base da árvore e eu já gosto deles mesmo embrulhados. Sei que são livros pois o formato não engana ninguém, contudo faço aquele ar espantado na abertura das prendas. Afinal é Natal!

 

Anexo | O Natal e os Livros

 

 

__________________________________________________________________

Publicado em Inominável nº 11

por  Márcia Balsas  autora do blog  Planeta Marcia

Siga-nos no Bloglovin