Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Qui | 07.01.16

Consultório (pouco) Sentimental… a resposta

banner.png

Olá Serginho.

É com ternura que lhe dizemos: ainda bem que nos escreveu. Urge que alguém o ajude a entrar no mundo intrincado das mulheres. Vou começar por lhe apontar brevemente os erros que cometeu com a menina que conheceu no Facebook – não me leve a mal, está bem?

Antes de mais (vá, uma coisa positiva): excelente escolha. Se a sua intenção era encontrar uma moça com quem cumprir os desígnios de Deus para a espécie humana – a reprodução – a indicação do decote da foto é um farol de certezas (ou dois, no caso). Depois, por ser prima do seu amigo, sabe que em princípio é moça de família, que está a usar o nome verdadeiro na rede social e portanto, menos doenças terá. Está a ver? Ia começar a apontar-lhe defeitos na interação, mas soube pelo menos identificar bem com quem havia de falar.

Vamos então aos erros.

  • Inseriu emoticons na conversa. E ainda por cima chama-lhes “bonequinhos”. Serginho, Serginho. Homem que é homem cospe para o chão, coça a virilha e NÃO MOSTRA EMOÇÕES. Ao fazer isto, até o decote da miúda mingou, atrofiado.
  • Não reagiu prontamente à miúda feia que ela levou para acompanhante. Desengane-se, meu caro, se pensa que era um convite ao pecado ao cubo. Ou se lhe passou pela cabeça que era uma medida de segurança, esqueça já isso. Só há um motivo para as mulheres levarem amigas no primeiro encontro com um rapaz: as amigas são horríveis e, por comparação, elas vão ser lindas aos olhos do pretendente. Eu própria me faço acompanhar sempre de uma amiga com a cara em tão mau estado que parece uma vítima de lepra – sei que tenho namorado, mas ajuda a impressionar o resto do povo na mesma. Conclusão: devia ter feito logo um comentário do género “Caramba, que és mesmo gostosa! Já viste se me tem calhado aquela?” [cara de nojo].
  • Não percebeu as metáforas. E este erro foi fatal. A miúda estava a atirar-se para si como as velhotas se atiram para os primeiros lugares dos autocarros. Uma experiência marcante, garanto-lhe. Para que nunca mais repita esta falha que só o prejudica vou deixá-lo pensar na metáfora que o próprio Serginho fez quando disse “não se pode ir com muita sede à batata-doce”. Veja o que disse e o que realmente queria dizer – isso é uma metáfora. A não ser que ela seja de facto uma especialista na cultura desta sub-espécie de tubérculo e estivesse a ser literal. Aí já não me responsabilizo.

Meu querido, aceite este conselho: telefone à Helena Gorda. Sem bonequinhos, sem metáforas, sem grandes conversas. Peça-lhe para provar um pastel. Porque a beleza passa a todos, mas a fome – ah, a fome! – essa nunca.

assinatura.png

As nossas consultoras são a Maria das Palavras autora dos blogs Maria das Palavras e Consultório de Prendas.  e M.J. autora do blog E agora? Sei lá!. Ambas participam no blog Aprender uma coisa nova por dia

 

publicado na Inominável nº 1