Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Sex | 10.03.17

Até à eternidade

Inominável
Talvez o tempo possa voltar atrás, talvez não. Nunca o saberemos, porque o não tentamos. Não se trata de reviver o fogo da juventude, esse não mais é que memória longínqua. Trata-se de viver o que devíamos. O quinhão de felicidade a que temos direito. Nenhuma outra mulher conseguiu marcar este coração como tu. Como se em todo o meu corpo, até nessa coisa a que chamam alma, de estranha forma, circulasses. Um vírus, é o que és para mim. Daqueles que tomam conta de ti de (...)
Qua | 01.06.16

Enganos

Inominável
Escrevo esta «crónica» sob pseudónimo, porque assim pretensamente me engano como se escrever não fosse mais uma modo de revelar que de ocultar. É Abril, e o seu primeiro dia é dos enganos. O que mais faço é enganar-me. Todos os dias visto uma personagem que não é bem minha e engano. A mim e aos outros.Também sou enganado. Numa ilusão de que posso viver realidades alternativas, de que não prisioneiro de convenções, status, relações. Quando me vieste procurar com flores no (...)
Qua | 30.03.16

Um sinal

Inominável
A vulgaridade ocasionalmente toma conta das nossas vidas.É por isso que te digo, que me apaixonei no segundo em que te vi. Todos na festa, rindo, celebrando, havias escolhido a solidão e recato da varanda. Os olhos azuis, o cabelo louro, as pernas elegantemente cruzadas deixavam antever um mundo de promessas. A postura, displicente e ao mesmo tempo elegante fizeram o resto. Uma deusa em forma de gente. Quis saber quem eras, o que fazias. Conversa inteligente, bem-humorada, irónica. E eu (...)
Seg | 11.01.16

Sonharei sempre contigo

Inominável
Um amor assim, visto à distância, torna mais doces as memórias. E no entanto, nada é exactamente como esperávamos, nada corre de acordo com o plano.Tenho em mim sonhos de rapazinho que a idade adulta não roubou. O meu tem o teu nome impresso, como quando olhas para as nuvens e nelas vês formas que na realidade não existem. Mantive sempre essa tonta ilusão. Passávamos (...)
Qua | 28.10.15

Talvez um dia, meu amor

Inominável
Vulgar será dizer que somos marionetas nas mãos do destino.Alguns, mais manipulados por esses fios invisíveis, tornam-se joguetes do destino.Vou contar uma história, tão banal como as suas personagens.Dois jovens conhecem-se e apaixonam-se. Vivem o fim da adolescência e início da idade adulta em paixão, amando-se como tantos outros o fizeram antes deles. Ela é (...)