Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Seg | 15.01.18

Por terras nascidas do mar #2

 

Escrevo entretanto esta coluna aos poucos, ao ritmo dos lugares que começo a conhecer. Assim, eis mais um momento em que escrevo para vocês, passados três dias do último contacto muito próximo com o mar; estamos numa praia maravilhosa chamada “Lombo Gordo”. Tivemos de descer bastante, deslumbrando-nos com um caminho rico em natureza bruta, como é habitual por aqui. A areia que se entrelaça nos dedos dos pés é preta, e quando as ondas a vêm beijar dezenas de pedras, pretas também, fazem um som quase de tambor, enquanto rolam para cá e para lá ao sabor das vagas de espuma. No pontão ao fundo dois pescadores praticam pesca à linha enquanto eu aguardo que o meu futuro jantar seja caçado com arma e barbatanas nos pés. Um cão preto, da raça Labrador, escala as rochas como se de uma cabra de montanha se tratasse, e delicia-se cá em baixo com as ondas, rebolando na areia... e eu juro que quase consigo ouvir-lhe uma gargalhada! A comunhão com a natureza é, de facto, sentida por todos sem excepção.

Assim, entre o frenesim de ajeitar o ninho – como eu gosto de dizer – de ir dando notícias aos familiares e de ir tratando de burocracias, chegou o dia em que senti ser de férias novamente, sem pensar em mais nada a não ser usufruir o momento. Conheci, naturalmente, o sítio mais turístico da zona e da ilha: as furnas! As caldeiras do vulcão, o seu cheiro a enxofre que a muitas pessoas ameaça com o vómito (mas que a mim não me incomodou), a vista de fazer perder a respiração, o milho cozido na caldeira que fez a delícia do meu filho, a lagoa mágica cheia de vida, dentro e fora de água, onde podemos ver patos e gatos, estes personificando uma cultura zen do live and let live... tudo isto são detalhes documentados em fotografias mas que não reflectem a cor - o verde! - não têm cheiro nem o som do silêncio que por vezes nos rodeia e actua como um bálsamo.

 

 

Praias imensas, recantos secretos, arco-íris de encantar, borboletas por todo o lado a esvoaçar, miradouros e as suas colónias de gatos, habituados a turistas e a uma vida livre, flores ainda com cor de primavera e outras no outono da sua vida, plantas únicas no mundo e um pássaro que só existe no nordeste da ilha - agora o meu lar - centros comerciais e serras até ao mar, a fast food e o cozido das furnas, o cheiro de bolos de chocolate que só se vendem a partir da meia-noite, e noites que cheiram a sal, céu azul iluminado de sol e furacões de passagem... tudo isto e muito mais são contrastes e detalhes de que falarei em cada edição, no contexto da minha nova vida e através do meu olhar como residente de uma das “Pérolas do Atlântico”.

 

 

Este será também um Natal diferente, com outro cheiro e sabor, com menos azáfama e mais sentimento... será mais Natal, certamente! Mas, e como tem sido até hoje, não poderei falar do que ainda não vivi, pois tudo o que vos escrevo é baseado na experiência do aqui e agora. Até lá desejo-vos também um Natal autêntico, cheio de cor, amor e sabor! Por aqui nos voltaremos a encontrar, depois do nascer de um novo ano, e desta vez por terras nascidas do mar.

 

Com amor, da ilha.

 

 

____________________________________________________________________

Publicado em Inominável nº 11

por Inês Rocha, autora do blog Alquimia do Momento

Siga-nos no Bloglovin