Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Qua | 28.06.17

Por terras do Rei Artur

Chegou a Primavera! E com ela, a vontade de sair e explorar as cores que apelam aos passeios, com as árvores floridas a exibirem-se pelas ruas, ou não vivesse eu na cidade mais florida de Southside em Inglaterra.

 

r1.PNG

 

Claro que as temperaturas por estes lados ainda não apelam aos banhos, mas como alternativa temos aqui, relativamente perto, a cidade de Bath, conhecida pela sua herança romana um pouco por todo o lado, sendo o local mais visitado e afamado os banhos romanos, que prestam agora um serviço público diferente, dirigido aos turistas. E assim foi, decidimos visitar Bath num dia feriado, que em Portugal se manteve fiel ao calendário (domingo, pois claro!), enquanto que aqui são mais simpáticos e inteligentes, transportando os feriados para o dia útil mais próximo do fim-de-semana. Isto porque acreditam, e muito bem, que um feriado a meio da semana vem quebrar o rendimento do funcionário. Concordo!

Portanto, numa segunda-feira, estávamos nós em Bath, uma cidade muito bonita que respira história não só através dos edifícios erigidos num passado tão distante, mas também através da natureza, nos parques, no rio, nas árvores e nas suas cicatrizes, testemunhas da passagem por vezes cruel do tempo.

 

 

Os banhos romanos são um dos centros arqueológicos mais bem conservados do Norte da Europa, tendo sido fundados após a invasão romana. Parte do cenário são os funcionários vestido à época, sentados em amena cavaqueira, esperando o próximo cliente para a fotografia da praxe, mas são os sentidos que nos transportam ao passado; toca-se nas pedras aqui e ali, as mesmas que faziam parte do abrigo da nascente Sagrada Romana, imaginamo-nos habitantes daquele tempo ao olharmos em volta e sentirmos o cheiro característico, lança-se uma moeda na piscina circular e pede-se um desejo na esperança de que se faça luz! Claro que esta piscina é colocada estrategicamente no fim da sequência a ser explorada, para frustração de alguns dos turistas levados por arrasto, sejam maridos desesperados por atenção que se metem a caminho de um passeio para ver algo maravilhoso (leiam-se coisas velhas), ou adolescentes sem vontade de passear para ver algo que os pais anseiam e insistem em partilhar (leiam-se coisas velhas. Outra vez.) No entanto a maioria dos visitantes são bastante interessados, passando pela exposição de objectos onde se incluem altares, pedras tumulares, e objectos escavados da Nascente Sagrada.

Vistos os banhos, fomos até à abadia, outro ponto de extremo interesse com uma grandiosa janela que contém 56 cenas da vida de Jesus Cristo. Uma nova viagem ao passado enquanto caminhamos ao longo das alas, lendo os sentidos memoriais de familiares aos seus entes queridos, ficando gravada na eternidade da pedra a intensidade da sua saudade. À entrada, um preço mínimo sugerido, simbólico é claro, mas se pagarem com uma nota o que ouvem de imediato é “Oh, so kind of you!”, depois a pausa constrangedora quando vêem a nossa expressão confusa, até perguntarem com um ar algo desapontado “or do you want change...?”. Claro que o resultado é só um, mas seja como for vale bem a pena entrar e ver a beleza secular de Bath Abbey.

 

 

Cá fora, enquanto nos abrigávamos da chuva, um episódio caricato como não podia deixar de ser pois, tal como diz o meu filho em tom conformado, “Só mesmo tu mãe...” A certa altura levantei o braço para ajeitar a mala, e um pombo nele aterrou, ficando a olhar para mim como quem espera algo, comida talvez? E enquanto trocávamos aquele olhar, um outro achou por bem aterrar em cima da minha cabeça! Felizmente também à procura de comida, significando assim barriga vazia, o que foi conveniente dadas as circunstâncias...!

E o Verão aproxima-se a passos largos, mais passeios terei para descrever e certamente mais alguns episódios caricatos estarão por acontecer! Vamos agarrar o sol a pedalar numa bicicleta, e deixar partir o mau tempo...!

 

See you soon!

 

 

____________________________________________________________________

Publicado em Inominável nº 4
por Inês Rocha, autora do blog Alquimia do Momento

Siga-nos no Bloglovin