Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Qui | 15.02.18

Play it Sam! | E as senhoras?

Na sétima arte as senhoras, ou melhor, as actrizes sempre tiveram lugares de destaque. Fosse pelo talento, pela beleza, fosse unicamente como sex symbols em que muitas se transformaram ou Hollywood as transformou, é certo que as mulheres no cinema surgem com maior relevância e em maior evidência que os homens.

 

Em número anterior desta revista falei de Florence Lawrence como sendo uma enorme estrela feminina de Hollywood, e que vemos aqui neste seu primeiro filme datado de 1909.

 

 

Esta actriz foi justamente a primeira de muitas que o mundo do cinema idolatrou.

Bom, já devem ter reparado desta vez cabe falar das grandes divas que se destacaram do grande ecrã. Foram muitas e quase todas elas fantásticas.

Obviamente que seria deveras extenuante falar de todas as actrizes que deram muito ao cinema e ao mundo. Tentarei, na medida do possível, falar daquelas que me marcaram, pela sua qualidade na interpretação ou pela sua beleza.

Ora se perguntarem a alguém quem é a actriz de que mais ouviram falar ou melhor conhecem, mesmo que nunca tenham visto um filme com ela, arrisco dizer que é Marilyn Monroe, que aqui aparece num excerto de um dos filmes mais conhecidos, “O Pecado mora ao lado”, de 1955, quiçá numa das cenas mais icónicas do cinema:

 

 

Marilyn foi uma das actrizes americanas que se destacou, infelizmente, mais pela sua beleza do que pelo seu talento. Morreria em condições estranhas em 1962, com 36 anos, vítima de ingestão voluntária de doses excessivas de barbitúricos, dizem...

 

 

Só que ainda antes de Marilyn muitas outras actrizes fizeram as delícias dos amantes do cinema. Mary Pickford, que com Charlie Chaplin, Douglas Fairbanks e D. W. Griffith criou a United Artists, responsável por muitos e bons filmes, foi uma delas, aqui num excerto de filme de 1917:

 

 

E que tal falar de Greta Garbo em “Mata Hari”

 

 

ou Vivien Leigh no papel de Scarlett O’Hara em “E Tudo o Vento Levou”, e com o qual ganhou o seu primeiro Óscar ?

 

 

Ambas actrizes fantásticas.

Bom, depois tivemos… sei lá… Joan Crawford (1 Óscar), Marlene Dietrich (nomeada para 1 Óscar)

 

 

ou a irreverente Mae West, sobre quem publico um pequeno apanhado de algumas das suas frases célebres.

 

 

 

Mas seria claramente injusto se não falasse aqui de Ginger Rogersou da ainda de Olivia de Havilland, que conta à data em que escrevo este texto mais de cem anos.

 

 

Também seria injusto se me esquecesse de Ingrid Bergman, Katharine Hepburn ou Lauren Bacall, aqui apresentada num breve registo:

 

 

Todas elas como grandes divas do cinema.

Assim como das belíssimas e muitíssimo talentosas Elizabeth Taylor e Natalie Wood, esta última aqui apresentada num naco de um dos seus melhores filmes, o celebérrimo “Esplendor na Relva” de Elia Kazan.

 

 

A lista parece quase interminável, tal é a quantidade de mulheres no cinema. Faltarão aqui muitas, muitas mesmo. Desde Grace Kelly a Audrey Hepburn, passando por Julie Andrews ou Joan Fontaine, olvidarei com toda a certeza a referência a muitas actrizes.

 

 

Finalmente, remato com a ideia de que o cinema é uma fonte inesgotável de informação e não pode nem deve ser servido em doses gigantes, pois poderemos correr o risco de nos tornarmos aborrecidos.

No entanto, lembrem-se dos bons filmes que por aqui vamos referindo.

A gente lê-se por aí!

 

 

__________________________________________________________________

Publicado em Inominável nº 12

por José da Xã, autor do blog Lados AB

Siga-nos no Bloglovin