Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Sex | 25.08.17

Fotografia: A luz e o olhar | Luz a sensibilidade da câmara

Fotografia: A luz e o olhar | Luz a sensibilidade da câmara

 

Luz – A sensibilidade da câmara

 

ISO - A última variável do triângulo de exposição.

 

Fotografar é, de alguma maneira, registar a luz. Seja em negativo seja digitalmente. Mas o que é isto da sensibilidade, ou do ISO?

 

Todos os que gostam de fotografia, se recuarem no tempo, certamente se lembram de ouvir expressões como “Põe um rolo de 400 ASA”, quando as condições de luz eram adversas, ou “Usa este rolo para os Preto e Branco”, para realçar a pele das pessoas na fotografia de retrato. Mas a fotografia digital não utiliza rolo, e todos nós continuamos a fotografar.

 

Os filmes de negativo fotográfico tinham a informação marcada na caixa (100/200/400 ASA). No modo digital, o ISO é o campo onde podemos indicar a sensibilidade que pretendemos usar para a fotografia.

 

Fotografia: A luz e o olhar | Luz a sensibilidade da câmara

 

Mas como é que funciona esta coisa estranha chamada ISO? E para que serve afinal? A escala de ISO mais comum inicia no ISO100 e vai até números mais elevados, dependendo das câmaras e dos sensores. Quanto menor for o número do ISO, menor será a sensibilidade da máquina à luz, e desta forma podemos usar velocidades de obturação mais lentas ou aberturas de diafragma maiores. No entanto, há um senão: quanto maior for a sensibilidade (ISO mais elevado), maior será a disposição da máquina para criar ruído. O ruído é também conhecido por grão, sendo usual dizermos que a fotografia ficou com muito grão (ruído).

 

Exemplo do ruído na foto:

 

Fotografia: A luz e o olhar | Luz a sensibilidade da câmara

 

No entanto, em pós-processamento é possível eliminar parte desse ruído com a ajuda de software, embora por vezes possamos querer dar exatamente esse mesmo aspeto à fotografia.

 

Para quem, como eu, anda sempre de máquina fotográfica atrás, mas por vezes não transporta o tripé, dominar esta variável do ISO pode ser a diferença entre fazer uma fotografia noturna ou não. Se o motivo que eu pretendo fotografar está numa zona escura, eu tenho de imobilizar a câmara durante alguns segundos, para garantir um tempo de exposição de alguns segundos. No entanto, e como referi, a sensibilidade da câmara à luz é determinada pelo ISO. Por isso, ao aumentar o valor do ISO estou a aumentar a sensibilidade da câmara à luz, que é algo que me permite obturações mais rápidas, no entanto com mais ruído.

 

Agora que já abordei, embora de forma superficial, as três variáveis da fotografia (velocidade, abertura e sensibilidade), não tenham receio. Vão para a rua, fotografem, fotografem e fotografem. Não fiquem desapontados se não conseguiram logo aquele resultado que esperavam. A fotografia, como tudo na vida, requer prática, conhecimento, mas também paixão.

 

As fotos que selecionei para este artigo não serão as mais belas fotos do mundo, pois têm apenas a intenção de mostrar o comportamento da variável que faltava. Para melhor compreender o que as palavras tentam expressar, deixo-vos duas fotos com o mesmo motivo, mas com ISO diferente, bem como a alteração das outras variáveis (velocidade e abertura).

 

Fotografia: A luz e o olhar | Luz a sensibilidade da câmara

 

Foto a 160mm, velocidade 1/3200, abertura f14, ISO6400

 

Fotografia: A luz e o olhar | Luz a sensibilidade da câmara

 

Foto a 160mm, velocidade 1/10, abertura f32, ISO100

 

 

Exprimam os vossos sentimentos pelo olhar das vossas objetivas. Com paixão!

 

Até breve, e boas fotos.

 

 

____________________________________________________________________

Publicado em Inominável nº 9
por Gil Cardoso autor do blog Gil Cardoso

Siga-nos no Bloglovin
 

2 comentários

Comentar post