Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Ter | 21.02.17

Espectáculo! (ii)

6_4.jpg

Bom, como dizia, se calhar podemos mascarar-nos! Para tal, poderíamos pedir ajuda ao mestre do disfarce no mundo dos videojogos. Ele tem muitos nomes, mas é tipicamente chamado apenas de 47. Sim, é simplesmente um número. O 47 é um senhor careca, pálido, muito educado e sereno, que é também o personagem principal da saga de videojogos Hitman, cujo objectivo geral é fazer coisas... menos boas a um determinado conjunto muito específico de pessoas pouco divertidas que, sinceramente, se calhar merecem seja o que for que o 47 lhes faça. Ah, bom, mas nada disso importa, o que importa é que podemos vestir um enorme conjunto de disfarces para progredir nos níveis cheios de guardas inteligentes, ludibriando-os. Porque é que são precisos guardas? Não se preocupem, não é que aconteça qualquer tipo de violência. Esses disfarces, ou pelo menos os mais ridículos, podem variar entre um fato de palhaço, um espantalho, um fato de Pai Natal ou mesmo um fato de galinha. Literalmente. Bom, enfim, não LITERALMENTE. Mas literalmente, pronto, percebeis-me, com certeza. Certamente nada honrará mais o significado da palavra "diversão" do que um homem num fato de galinha com duas grandes metralhadoras na mão. Ahem! Quero dizer marteladoras, tipo aqueles martelinhos das festas populares e tal. Vá, vá, pensamentos divertidos, hem?

Hmm, estou a pensar, talvez fosse interessante um regresso ao passado? E não estou a falar de simples nostalgia. Falo mesmo de voltar uns séculos atrás.

Vinde, vá lá, falta pouco, vinde, segui-me!

 

Vamos para um videojogo que durante um período relativamente recente se especializou em confundir os seus fãs com viagens no tempo mais esquisitas do que aquelas do Regresso ao Futuro. O videojogo de que falo chama-se Assassin's Creed, especificando particularmente a segunda iteração de uma já longa saga. Não vos deixeis enganar pelo nome, se o vosso inglês não estiver enferrujado. Não quero mostrar algo de medonho. Gostaria, pelo contrário, de vos levar até Veneza, no final do século XV, onde ocorria um dos Carnavais mais famosos do mundo antes de o Brasil se meter ao barulho. Dizei-me: que melhor maneira de celebrar um Carnaval fantástico do que passeando virtualmente pelos canais imundos de Veneza? O quê? Celebrá-lo na vida real com outras pessoas a sério? Essa agora, tolices! Num videojogo não existe o desconfortável inconveniente da interacção humana! Não, não, numa Veneza a fingir é que é. Enfeites coloridos e luzes infinitas preenchem todo o espaço acima das cabeças dos milhares de foliões mascarados que inundam a superfície da Cidade Flutuante. Sopradores de fogo, tocadores de alaúde, dançarinos, homens e mulheres numa orgia metafórica de diversão e excessos! Tudo isto à distância de um clique no vosso computador ou consola preferida (quer dizer, fora todas as interacções e períodos de jogo que são necessários antes de se chegar a Veneza, pois esta é apenas uma pequena parte do jogo, mas pronto).

A tecnologia é mesmo uma coisa fantástica, não é? Especialmente quando é usada para coisas tão desnecessárias como os videojogos!

Ah, ainda estão aqui, vocês? Bazem lá que vem aí mais um grupo de tansos ao qual tenho de repetir esta lengalenga toda. Vá, adeusinho.

Ahem!

Ora, ora, meus senhores e senhoras, vinde, vinde, segui-me!...

6_5.jpg

 ____________________________________________________________________

Publicado em Inominável nº 6
por Rei Bacalhau que participa no blog O Bom, o Mau e o Feio

Siga-nos no Bloglovin