Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Revista Inominável

A revista para lá da blogosfera!

Ter | 07.11.17

Anexo | Ler a preto e branco

Anexo | Ler a preto e branco

 

A Inominável está em festa e, desta vez, em jeito de homenagem pelo (fantástico) percurso destes dois anos, decidi-me a escrever sobre livros (sim, sempre os livros) seguindo (ou tentando seguir) o tema.

“Preto e Branco” dá pano para mangas e eu, esperando não me estar a meter num casaco de mangas muito justas, quero de alguma forma associar a leitura a estas cores. Bem, pensando melhor não são cores. São, talvez, a luz e a escuridão. Ora cá está um bom ponto de partida, ler tira-nos sempre da escuridão e leva-nos em direcção à luz. Perfeito. Se não fosse um cliché de todo o tamanho, que tenho a certeza vos está a fazer torcer o nariz e pensar seriamente em seguir para a próxima página. Acho muito bem, mas depois de ler o meu texto, pode ser? Depois vamos todos soprar as velas, prometo.

É curioso como a leitura a preto e branco nos pode levar para mundos de muitas cores (acho que agora sim, estou no caminho certo). Avançamos na leitura preto no branco, e é quando os nossos olhos passeiam nas letrinhas pretas sobre a página branca que a nossa imaginação dispara. Eu falo por mim, pois crio os meus cenários a cores. Não é fantástico que uma base aparentemente simples permita tamanhas criações? Frases que podem ser castelos, montanhas, mares, histórias de amor, amizade, morte e traição. Podem ser rostos, sentimentos e sentidos. Duas cores, contrastes, que nos fazer viver para lá do arco-íris. É como o guião que se transforma em filme. É uma produção mental que depende da nossa capacidade de chegar mais longe, e das horas de treino. Quanto mais tempo na companhia das letrinhas pretas na página branca, mais longe podemos ir nesta magia de criar as nossas histórias com as nossas próprias cores.

É uma ideia engraçada esta, mas parece-me ainda aquém da temática e definitivamente aquém de uma edição de aniversário. Não me quero armar em diva, mas esta coisa do tema corta-me um bocado a inspiração.

Já sei, vou deambular um pouco pelos “Direitos Inalienáveis do Leitor” (a), que já trouxe à baila no número passado, para ver se me safo desta.

Talvez não. Nada. Nem preto e branco, preto no branco ou branco no preto. Podia, talvez, inventar um novo direito. Que tal “O direito de ler não importa como”? Parece-me um bocado forçado e pouco incisivo. O mais certo é vocês imaginarem logo coisas diferentes do que se pretende, como ler de pernas para o ar, no banho, a andar de bicicleta, a cozinhar ou a dormir (as coisas de que me lembro). Já para não referir que ainda poderia vir a ser processada pelo Daniel Pennac por andar a inventar direitos e insinuar que os dele não chegam.

Está mais que visto que isto dos temas não é para mim. Vou ler um bocadinho para ver se me inspiro (a cores) e produzo um texto aceitável.

Parabéns Inominável!

E vocês já sabem, leiam muito e bem!

 

 

(a) Os dez direitos inalienáveis do leitor, de Daniel Pennac; Como um Romance, Asa

 

 

__________________________________________________________________

Publicado em    Inominável nº 10

por  Márcia Balsas  autora do blog  Planeta Marcia

Siga-nos no Bloglovin